IBM MAXIMO – Usuários e grupos de Segurança

A segurança no MAXIMO controla a forma com que os usuários acessam o sistema, quais aplicações podem ser acessadas e ações que podem ser executadas. É possível configurar privilégios de segurança para usuários por grupo.

Os grupos são criados usando a aplicação Grupos de Segurança. Para cada grupo, é possível especificar configurações de segurança, como privilégios e restrições de aplicativos. É possível também conceder direitos de segurança a usuários designando a eles associação em um ou mais grupos. A combinação de grupos à qual um usuário pertence determina os privilégios de segurança.

desenho001

Read More »

Anúncios

Estrutura Organizacional no IBM MAXIMO (MULTISITE)

Estrutura organizacional

Estrutura organizacional é um conceito oriundo da área de administração e gestão de empresas. Trata da forma como a empresa é organizada em torno da divisão de atividades e recursos com fins de cumprir os objetivos da companhia.

No MAXIMO, a estrutura organizacional funciona no conceito MULTISITE, onde é possível transportar a estrutura da organização para o sistema com o objetivo de desenvolver o compartilhamento e a restrição de dados entre plantas (sites) da organização.

Read More »

IBM MAXIMO: Monitoramento de Condição

IBM MAXIMO: Monitoramento de Condição: Monitorando o estado dos equipamentos e posições

Usado para definir pontos de medição de ativos ou posições e para especificar os limites de alarme e de trabalho associados a serem executadas após os limites de ação serem atingidos. Funciona de forma similar à manutenção preventiva, porém mais voltado para apoio na geração de Ordens de Serviço preditivas.

001

O monitoramento de condições pode ser usado tanto para ativos quanto para posições (locais):

002

Medidores de Característica

010

No exemplo acima, uma Ordem de Serviço será gerada com base no Plano de Trabalho (ou Plano de Tarefa) quando uma leitura com o valor High for feita:

003

Medidores de Calibre

006

No caso de um monitoramento por calibre (GAUGE), valores de monitoramento limite devem ser selecionados:

007

Caso os limites de aviso sejam atingidos, é possível configurar por meio de customizações notificações ou ações.
Caso os limites de ação sejam atingidos, uma Ordem de Serviço será gerada através do Plano de Tarefa.

Com o limite de ação superior ultrapassado, uma OS será gerada para o Plano de Trabalho JPOUTPR:

008

A inserção de leituras no monitoramento de condições pode ser feita de forma manual, pelos usuários responsáveis da mesma forma que podem ser feitas as inserções de leituras de medidores contínuos para geração de Ordens de Serviço por MP. Uma alternativa é a inserção automática de leituras por meio de integração com sistemas externos, como ERPs ou sistemas integrados a sensores nos equipamentos.

As 5 principais tendências para o futuro do EAM

Os sistemas EAM (Enterprise Asset Management) são considerados essenciais para auxiliar as empresas na melhoria da qualidade e eficiência de seus ativos nos dias de hoje. Manter os ativos funcionando perfeitamente com alta disponibilidade pode ser um desafio, muitas vezes superado com o uso das ferramentas e pessoal adequado.

Um bom EAM inclui gestão de manutenção com substituição, reparo, gestão de compras, materiais, operacional e outros. Alguns dos principais benefícios incluem redução dos custos de manutenção, maior retorno sobre o investimento nos ativos, aumento de produtividade e performance dos equipamentos e ganho substancial na visibilidade da operação.

Entretanto, manter um EAM como o SAP PM ou o IBM MAXIMO em funcionamento regular, sem tirar proveito de algumas de suas tendências para o futuro – embora tendência talvez não seja a melhor colocação, pois algumas empresas já estão colhendo frutos – pode ser um desperdício e em tempos de crise, desperdiçar não é uma opção.

Uma análise feita pela FMI (Future Market Insights) mostra que o crescimento anual do mercado dos enterprise asset management gira em torno de 7.2% até 2026. É essencial que os gestores conheçam as principais tendências que favorecem esse crescimento. Veja abaixo as cinco maiores tendências apontadas pelos líderes das maiores indústrias do planeta.

  1. Mobilidade

Seja em uma planta ou gerenciando equipes em campo, uma aplicação móvel auxilia na condução de tarefas diárias muito importantes, economizando recursos e tempo. Por exemplo, se as equipes de sua empresa possuíssem uma aplicação mobile em um celular Android, Iphone ou Windows Phone, eles poderiam inserir dados dos equipamentos diretamente nos dispositivos, enviando e recebendo dados do EAM automaticamente. Com isso, as equipes eliminariam inserção manual de dados, reduzindo a margem de erro. Além disso, uma aplicação mobile também auxilia no processo de criação de Ordens de Serviço, desde que o recurso não precisa estar fisicamente em uma estação de trabalho, enriquecendo os dados do EAM para apoio à tomada de decisões no futuro, como uma atualização precisa informações como tempos de parada, horas trabalhadas, materiais consumidos e registros de problema, causa e solução.

  1. Nuvem

Escalabilidade, agilidade na gestão dos projetos, recuperação de backup facilitados, maior segurança, menor custo de propriedade e flexibilidade. Essas são apenas algumas das vantagens de colocar o sistema EAM (e todos os outros) da sua empresa na nuvem (Cloud). Atualmente, não é nenhuma surpresa que a nuvem seja o modelo de entrega de software favorito e mais utilizado no mundo, apoiados por grandes empresas como Amazon, Microsoft, Google, IBM e SalesForce. Talvez seja o momento da sua empresa considerar este avanço, reduzindo os custos com sua infraestrutura de TI e aumentando a disponibilidade dos sistemas da sua empresa.

  1. Análise Preditiva

Gerenciar e mitigar riscos são os grandes pilares da gestão de ativos. Identificar, quantificar e priorizar os riscos identificados converte a abordagem da empresa na perspectiva da manutenção reativa para preditiva. Um bom EAM deveria oferecer ambos: a preventiva, com opção de agendamento de manutenção programada por tempo e leitura de medidores e a capacidade de viabilizar a manutenção preditiva através do modelo Reliability Centered Maintenance (RCM, e em português, Manutenção centrada em confiabilidade). No RCM o sistema avalia o histórico de falhas dos ativos a fim de otimizar as rotinas de manutenção ou até mesmo ELIMINAR as possibilidades de falhas dos ativos, trabalhando em conjunto com um monitoramento de condições inteligente, coletando e analisando dados de fontes variadas, avaliando e comparando dados atuais e históricos. A Manutenção preditiva pode ser alavancada a um outro patamar com o auxílio da próxima tendência destacada neste artigo: a Internet das Coisas.

  1. IoT (Internet das Coisas)

A Internet das Coisas é um conceito revolucionário que consiste na conexão e compartilhamento de informações relevantes a partir de ‘coisas’, como dados de sensores que auxiliam na tomada de decisões.

“Por exemplo, um sensor que envia informações de temperatura de um motor a todo momento para um sistema central, que possui um controle de alerta e ou reação.”

A gestão de ativos é uma das áreas mais beneficiadas por essa nova revolução, pois ela permite com que máquinas interajam entre si sem a necessidade da intervenção humana. Com isso, processos como a manutenção preventiva e a RCM (citadas na tendência anterior), tornam-se muito mais simples e diretos. A IoT, embora ainda seja novidade para muita gente, já é uma realidade consolidada em grandes setores da indústria, integrada a sistemas ERP e EAM.

  1. Gestão inteligente de inventário

Melhorar a disponibilidade do inventário para itens críticos ajuda a reduzir a indisponibilidade dos ativos e reduzir o excedente de estoque. Essas metas podem ser alcançadas através de sistemas avançados de gestão de inventário, proporcionando reduções significativas de custos. Dentre as características de uma solução robusta, temos:

  • Classificação de itens;
  • Serviços;
  • Tempos de entrega;
  • Gestão de demandas e prognóstico;
  • Cálculo de mínimos e máximos;
  • Excedentes de inventário;
  • Painéis de controle e relatórios.

 

A MaximoCon possui soluções diretas ou por meio de parceiros para cada uma dessas tendências. Entre em contato conosco para saber mais.

 

Nosso site: http://www.maximocon.com
Email: maxadmin@maximocon.com
Telefone: 31 3582-0082

Scripts de automação em telas no IBM Maximo – Aula completa!

Objetivo

 

O objetivo deste treinamento é capacitar o desenvolvedor a criar novos campos, alterar telas e criar scripts de automação (Automation Scripts) no IBM Maximo. O nível deste treinamento é apenas introdutório, ou seja, poderá capacitar o desenvolvedor a iniciar as atividades de customizações no sistema.

A MaximoCon fornece diversos treinamentos para sua equipe, tanto técnicos quanto funcionais. Consulte-nos para maiores informações!

Video completo!

Regras de Negócio

 

O cliente solicitou uma forma de distinguir as Ordens de Serviço em internas e externas. As Ordens internas são tarefas realizadas para a própria empresa, enquanto as Ordens externas são serviços executados para terceiros. Como a empresa não utiliza um industry solution como o Service Provider, uma customização inicial foi solicitada para facilitar o trabalho da manutenção. Com base na solicitação do cliente, a seguinte regra foi escrita:


Inserir um campo do tipo ‘check box’ na Ordem de Serviço denominado “Interno”. Este campo, se marcado pelo usuário, deve realizar as seguintes ações:

  1. Colocar os campos a seguir vazios e somente leitura:
    1. Ativo;
    2. Conta Contábil;
  2. Preencher o campo prioridade com 5;
  3. Preencher o campo Tipo de Serviço com “INT”;

Definir o campo Local como obrigatório.

 

Atribuições do desenvolvedor

 

Com a regra detalhada, precisaremos executar as tarefas a seguir:

Screenshot_1.png

  • Criar um novo campo no Configurador de Banco de Dados;
  • Inserir este campo na tela de Rastreamento de Ordem de Serviço;
  • Criar um script de automação para o novo campo;

Desenvolvimento

 

A partir deste ponto detalharemos os aspectos técnicos da solução, como criação do campo, alteração em tela e regras de negócio (com a utilização de Script de Automação). O desenvolvimento deve ser executado na sequência para que não ocorra falha de dependências.

 

Criando novo campo

Screenshot_2
O campo a seguir deve ser criado acessando a aplicação “Configuração do Banco de Dados” no caminho a seguir:

Acessando a aplicação “Configuração do Banco de Dados”, busque o objeto WORKORDER (=WORKORDER):

 Screenshot_3

Acesse a aba “atributos” e clique em “nova linha” para definirmos o novo campo:

Screenshot_4

Preencha os campos conforme a tabela a seguir:

OBJETO: WORKORDER
Atributo Título / Descrição Tipo Tamanho Domínio Mesmo do… Tipo de Busca
CUST_INT Interno / Identifica se a Ordem de Serviço é interna YORN (PADRÃO) EXACT (PADRÃO)

Screenshot_5

O atributo do tipo YORN cria um campo BOOLEAN no banco de dados, que aceita apenas valores binários (0 ou 1). O tipo de busca “EXACT”, informa que o usuário pode pesquisar pelo campo apenas inserindo valores equivalentes ao inserido no banco de dados. O tipo “WILDCARD” permite a busca parcial, especialmente utilizado para campos de texto, onde é possível buscar os campos inserindo trechos do valor total, compreendidos entre o símbolo “%”.

Agora, salve o registro ( Screenshot_6) e retorne para a guia lista. Isto pode demorar um pouco, já que alterando o objeto WORKORDER, o Maximo também altera suas views.

Screenshot_7

O campo ainda não foi criado. Para isso, precisamos rodar o configurador do banco de dados que basicamente transforma os metadados (informações sobre os dados) em dados (alteração física no banco). No momento, temos o objeto MAXATTRIBUTECFG (entre alguns outros) com a alteração, conforme mostra a imagem a seguir:

Screenshot_8

O campo ‘changed’ <> ‘N’ busca todos as alterações ainda não efetivadas. Agora precisamos dessa alteração persistida no objeto MAXATTRIBUTE. Veja que os registros ainda não foram criados nesta tabela:

Screenshot_9

Observe que o CFG significa ConFiGuração, ou seja, o campo está na configuração, mas ainda não foi efetivado.

Para que nosso objetivo seja alcançado, precisamos rodar o configdb, que efetivará as alterações fisicamente no banco de dados e as incluirá na MAXATTRIBUTE.

Sempre que for efetivar qualquer alteração no banco de dados do Maximo, siga os passos abaixo:

  1. Clique em “Gerenciar modo administrativo”:
    Screenshot_10

 

  1. Clique em “Ligar modo admin”:

Screenshot_11

(Esta ação é necessária, pois como realiza alterações estruturais no banco de dados, os usuários precisam ser deslogados).

Screenshot_12

 

É preciso aguardar até que todos os processos do Maximo sejam liberados para a execução do modo administrativo:

Agora é necessário aplicar as alterações para que o campo seja criado:

Screenshot_14

 

Marque a opção informando que você possui um backup (recomendado caso aconteça algum problema):

Screenshot_15
Informe os dados de autenticação e motivo da alteração:

Screenshot_16

Fique atento às mensagens exibidas no processo. Caso o configurador seja executado com sucesso, a mensagem “ConfigDB completed without erros”.

Screenshot_17

Jamais se esqueça de desativar o modo administrativo, ou alguns recursos do IBM Maximo não funcionarão:

Screenshot_18

Após alguns segundos…

 

Alteração de tela

 

Para incluir o novo campo na tela de “Rastreamento de Ordem de Serviço” acesse o aplicativo no caminho a seguir:

Screenshot_21

Acessando a aplicação “Editor de Telas”, busque o objeto WOTRACK (=WOTRACK):

Screenshot_22

WOTRACK é um arquivo XML que contém todos os componentes do IBM Maximo para o carregamento do aplicativo de OS.

Screenshot_23

Acesse a guia “Ordem de Serviço” para que possamos inserir o novo campo. Clique na paleta de controle:

Screenshot_24

Arraste a “Caixa de Seleção” para a tela, conforme as imagens a seguir:

Screenshot_25

 

Clique no botão de propriedades de controle:

Screenshot_26
Na próxima janela, informe o nome do atributo que criamos no capítulo anterior:

Screenshot_27

Agora temos o campo que criamos no banco de dados disponível na tela de “Rastreamento de Ordem de Serviço”:

Salve o registro (Screenshot_6 ) e acesse o aplicativo “Rastreamento de Ordem de Serviço” para conferir:

Screenshot_29

Screenshot_30

Script de Automação

 

A regras abaixo deve ser executada através de um script de automação de atributo:


Criar um script para o campo “Interno” (WORKORDER.CUST_INT). Este campo, se marcado pelo usuário, deve realizar as seguintes ações:

  1. Colocar os campos a seguir vazios e somente leitura:
    1. Ativo;
    2. Conta Contábil;
  2. Preencher o campo prioridade com 5;
  3. Preencher o campo Tipo de Serviço com “INT”*;

Definir o campo Local como obrigatório.

Caso o tipo de serviço “INT” não esteja cadastrado, acesse a aplicação de “Organizações” no módulo “Administração”, vá em selecionar ação, Opções de Ordens de Serviço -> Tipo de Serviço e adicione o valor “INT”:

Screenshot_31

 

 

Acesse a aplicação no caminho a seguir:

Screenshot_32

 

Crie um script de automação com ponto de ativação de atributo:

Screenshot_33
Na primeira tela de criação do novo script, vale destacar algumas informações:

Screenshot_34

  1. Insira o nome do ponto de ativação. Procure utilizar um nome que facilite a busca em ambientes com muitos scripts, como LP_WO_CUST_INT (Tipo do objeto, tabela, campo).
  2. Selecione o objeto e o atributo para os quais este ponto de ativação será acionado. No caso estamos trabalhando com WORKORDER.CUST_INT (Interno de “Rastreamento de Ordem de Serviço”).
  3. O evento de seleção para o qual você deseja definir o ponto de ativação é “Executar Ação”. No caso, quando o usuário marcar ou desmarcar o campo “Interno”, o script será acionado”.

 

 

No próximo passo, preencha as informações a seguir:

Screenshot_35

No primeiro quadro, insira o nome do script e a linguagem. Trabalhamos com Java Script por ter uma sintaxe mais amigável. Outra linguagem muito utilizada é python.

No segundo quadro, precisamos atribuir as variáveis que serão manipuladas no script:

  • ASSETNUM (Ativo)
  • LOCATION (Local)
  • GLACCOUNT (Conta Contábil)
  • WOPRIORITY (Prioridade da OS)
  • WORKTYPE (Tipo de Serviço)
  • CUST_INT (Interno)

Essas variáveis são inseridas neste ponto para que estejam disponíveis diretamente no script.

Na etapa 3, definimos o script com a regra de negócio:

Screenshot_36

Salve o script para finalizar.

Certifique-se de que as variáveis sejam definidas da seguinte forma (é possível acessá-las) depois da finalização do script na aba “Pontos de Ativação”:

Screenshot_37
Caso queira copiar o código do script:

 

if (CUST_INT) {

ASSETNUM_readonly = false;

ASSETNUM = “”;

ASSETNUM_readonly = true;

GLACCOUNT = null;

GLACCOUNT_readonly = true;

WOPRIORITY = 5;

WORKTYPE = “INT”;

 

LOCATION_required = true;

 

} else {

ASSETNUM_readonly = false;

GLACCOUNT_readonly = false;

LOCATION_required = false;

}

 

 

Há algumas outras opções de scripts de automação, como ações em cima de objetos que podem executar regras de inicializar, validar e ou salvar. Também podemos utilizar scripts para regras de integrações e outros eventos no sistema. Cobriremos essas e outras opções em um outro documento.

Testes

 

Por último e tão importante quanto o desenvolvimento, chegou o momento de testar. Acesse novamente a aplicação “Rastreamento de Ordem de Serviço”:

Screenshot_38

 

Criando uma nova Ordem de Serviço, insira um Local e um Ativo:

Screenshot_39

 

Agora marque o campo “Interno”:

Screenshot_40

Conforme o esperado:

  • Campo Ativo (WORKORDER.ASSETNUM) somente leitura e vazio;
  • Campo Local (WORKORDER.LOCATION) obrigatório;
  • Campo Tipo de Serviço (WORKORDER.WORKTYPE) com valor “INT”;
  • Campo Conta Contábil (WORKORDER.GLACCOUNT) somente leitura e vazio;
  • Campo Prioridade (WORKORDER.WOPRIORITY) com valor 5;

 

Agora precisamos verificar o que ocorre quando o campo “Interno” é desmarcado:

Screenshot_41

Não vimos na especificação, mas nos parece óbvio que o campo Local não deve permanecer obrigatório e os campos Ativo e Conta Contábil não devem permanecer somente leitura.

Realize quantos testes julgar necessário e faça ajustes para aprimorar o código. Não deixe de tentar cobrir todos os cenários viáveis para o desenvolvimento.

 

Caso queira acessar o conteúdo completo desta aula em VIDEO, acesse o LINK a seguir:

Video completo!

 

Não chegou ainda no MAXIMO 7.6.0.6? Talvez eu tenha um motivo convincente para você!

A melhor novidade do Maximo 7.6.0.6 para os mais técnicos, ou pelo menos a novidade que traz o maior alívio é o abandono do JAVA APPLET pela IBM, pelo menos no “Workflow Designer”:

NOAPPLET.png

Não tenho o Scheduler instalado, mas espero que a IBM tenha abandonado o applet também no add-on. Atenção: apenas para o MAXIMO 7.6.0.6 em diante!

É possível configurar o MAXIMO para rodar applets novamente, mas a pergunta que fica é: quem vai querer fazer isso?!

Fim da linha para o suporte do Maximo 7.5 chegando!

A partir do dia 30 de abril de 2018, correções, novos patches e suporte serão finalizados para o MAXIMO 7.5 e seus componentes, como add-ons e soluções industriais, de acordo com a IBM (mais informações aqui). Isso quer dizer que para continuar acompanhando as evolutivas do sistema, as empresas precisarão realizar o upgrade pelo menos para a versão 7.6.

Devido ao volume e constância das mudanças, as empresas terão 12 meses para realização do upgrade a fim de evitar maiores transtornos. A MaximoCon tem larga experiência em upgrade e é plenamenta capacitada para realizar a atividade para a sua empresa em tarifa promocional até o final de 2017. Em parceria com a SRO Solutions, podemos oferecer a solução de upgrade sem paradas.

Além da manutenção do benefício do suporte IBM, você também se beneficiará das diversas melhorias oferecidas no MAXIMO 7.6, como novas versões do Scheduler, administração de workflow (esqueça os applets que davam muita dor de cabeça nas versões anteriores), melhor navegabilidade, entre outras facilidades. Além disso, a versão do BIRT para o MAXIMO 7.6 possui suporte para a maioria dos navegadores, enquanto que em versões anteriores há várias restrições.

Realizando o upgrade antes do fim do suporte da IBM você evitará dores de cabeça e terá seu sistema IBM MAXIMO atualizado com o melhor da tecnologia oferecida pela IBM.

Veja abaixo a lista dos produtos que também perderão a assistência e não serão mais continuados pela IBM:

PRODUTO O QUE ACONTECERÁ?
IBM Maximo Mobile Suite
IBM Maximo Mobile Work Manager
IBM Maximo Mobile Asset Manager
IBM Maximo Mobile Inventory Manager
Migrará para o Maximo Anywhere
IBM Maximo Adapter for Microsoft Project Ficará apenas no Maximo Scheduler
IBM Maximo Adapter for Primavera Ficará apenas no Maximo Scheduler
IBM Maximo Asset Management Essentials Ficará apenas no Maximo Asset Management
IBM Maximo for Government Sem substituto – Use o Maximo Asset Management
IBM Maximo Space Management for Facilities Sem substituto
IBM Maximo Data Center Infrastructure Management Sem substituto
Maximo Change and Corrective Action Manager Licenses serão migradas para o Maximo Health Safety Environment Manager

Ficou interessado? Entre em contato para conhecer nossas condições de upgrade.